Antecipe-se ao Aumento do Preço dos Imóveis

Como aproveitar a última chance de lucrar com uma barganha imobiliária no Brasil – CURSO GRATUITO

Estamos no auge dos descontos em um mercado estagnado.

Veja agora por que esta é uma chance rara de comprar uma barganha imobiliária – ou de ganhar muito dinheiro com a iminente virada dos preços mesmo sem adquirir um imóvel

 

Caro leitor,

Estamos diante de uma Grande Virada nos preços do mercado imobiliário no Brasil, após dois anos de grave depressão.

E o estopim desse movimento é um processo de ruptura político-econômica, um acontecimento histórico e decisivo para o País.

Sim, falo do impeachment. 

E de uma consequente melhora da liquidez de todo o sistema financeiro, em uma combinação direta com os preços dos ativos.

Que o fim do mandato de Dilma agrada aos mercados em geral já não é mais segredo para ninguém.

Afinal, a cada derrota de seu governo, a Bolsa dispara, o dólar cai…

Mas o que talvez você ainda não saiba é o quanto a chegada ao poder de um novo presidente influenciará especificamente o valor dos imóveis.

E por consequência impactar o seu patrimônio e o de sua família, com um aumento de preços no curto e no médio prazos.

Mas atenção: não há motivo para pânico. Muito pelo contrário.

Se você estiver suficientemente preparado, não perderá nenhum centavo com esse movimento, e ainda tirará grande proveito dele. 

 

Você busca a tão sonhada casa própria, deixando para trás a escravidão do aluguel?

 

Pois então aproveitará a última janela para comprar barato, antes de aumentos que atingirão +24% em dois anos.

A proposta é obter uma nova fonte de renda, para garantir um acúmulo vitalício de ganhos expressivos?

Logo festejará o retorno das estratégias que propiciavam ganhos de mais de +100% apenas com a gestão passiva de imóveis.

 

Você não quer comprar uma propriedade agora, porque talvez esteja sem dinheiro para isso?

 

Também não há problema – poderá obter lucros expressivos do mesmo jeito, com esse movimento de alta dos preços no mercado.

Porque o vale atual de descontos de -30%, -40% ficará para trás…

Assim como as ofertas imobiliárias que lotam sua caixa de e-mails.

Os primeiros sinais dessa virada, inclusive, já não têm passado desapercebido para alguns…

Reprodução

A boa notícia é que você também está muito perto de tirar proveito dessa última temporada de barganhas…

Logo saberá como. Adianto apenas que se trata de um método inovador, com estratégias comprovadamente vencedoras…

E o melhor: GRATUITO.

Antes, no entanto, preciso responder a uma pergunta que certamente você está se fazendo neste momento.

 

De que forma, afinal, ocorrerá
esse aumento nos preços?

 

Para começar, temos que levar em conta os juros praticados no País.

Atualmente, a taxa básica de juros, a Selic, está no maior patamar em quase dez anos (14,25% ao ano).

Ela serve como referência para a economia e os financiamentos imobiliários.

O mercado como um todo já projeta um ciclo de cortes na Selic.

Levo em conta os resultados da pesquisa Focus, feita pelo Banco Central com economistas e instituições financeiras.

Pois bem: segundo o Focus, devemos ter reduções ainda maiores até o fim de 2017, levando a Selic a 11,75% ao ano.

Só essa queda no próximo ano já seria suficiente para que os imóveis tivessem um valor 16% superior ao de hoje.

Mas acontece que o boletim que reúne a expectativa do mercado nem sempre retrata fiel e imediatamente o que está acontecendo.

Ele representa a mediana das opiniões dos agentes – há quem projete mais – e é publicado apenas semanalmente.

Por isso, recorro ao analista-chefe da Empiricus, Felipe Miranda, a fim de chegar a uma avaliação mais apurada desse cenário.

Nos últimos anos, ele entendeu – e soube antecipar – como poucos os acontecimentos no Brasil.

Ele estima que a tendência é de uma queda mais intensa dos juros do que aquela prevista pelo mercado.

Assim, um patamar de 10% na Selic (ou de apenas um dígito) não seria nada extraordinário.

Muito pelo contrário, estaria entre os acontecimentos prováveis nesse cenário.

Outros analistas e parte da imprensa já começaram a perceber isso.

Dessa forma, o aumento da capacidade de pagamento do consumidor chegaria a expressivos +24%.

As incorporadoras também estão muito atentas a tudo isso.

E já deram sinais nos últimos anos de que vão acompanhar de perto esse crescimento do poder de compra do consumidor.

Ou seja, se a capacidade de pagamento do consumidor aumenta +24%, as incorporadoras tendem a aumentar esse mesmo percentual no preço de seus imóveis.

Vale a pena ressaltar que esse seria um aumento médio para o período – o seu imóvel dos sonhos poderia ficar, inclusive, mais caro que isso.

Na prática, quem consegue pagar as prestações de um imóvel de R$ 240 mil hoje, com Selic a 10%, teria condições de adquirir um imóvel de R$ 298 mil.

Logo, a incorporadora seguiria o mesmo movimento. Seu imóvel de R$ 240 mil teria o valor reajustado para R$ 298 mil, acompanhando o aumento na capacidade de pagamento do consumidor.

Calma, eu sei que você pode se encaixar em um perfil de renda familiar maior, nesse exemplo prático com os juros a 10% ao ano…

Por isso, basta usar e abusar da técnica da proporção aritmética a fim de descobrir o quanto gastaria no seu caso específico.

Se em vez de R$ 7.500, a renda familiar mensal for de R$ 10.000, o valor do imóvel seria de até R$ 400.000 no fim de 2017.

Se for de R$ 15.500, o preço seria de R$ 620.000. E assim por diante…

Essa busca das incorporadoras por equiparar os valores ao poder de compra já aconteceu no último ciclo de expansão dos imóveis.

E premiou aqueles consumidores que souberam se posicionar a tempo para adquiri-los como investimento ou mesmo para moradia.

Os que entraram no mercado imobiliário em 2005, 2006 e 2007, por exemplo, ganharam muito dinheiro.

Eles souberam identificar e se posicionar antes de um dos maiores booms na história.

Fonte: Banco Central

Imagine só quem entrou em 2005 e vendeu essa posição em 2013.

No caso de um imóvel de R$ 100.000, por exemplo, o ganho seria de extraordinários +293%.

Por outro lado, aqueles que entraram em 2014, motivados pelo crescimento anterior, amargaram uma perda real de -15%.

Ou seja, aquela obtida descontando a inflação no período.

Volto a lembrar que a trajetória dos juros está diretamente ligada à inflação.

Quanto mais os preços avançam, mais sobem os juros para controlar esse aumento. Não é difícil entender por que…

Isso encarece o crédito e inibe o consumo, restringindo a circulação da moeda e trazendo a inflação de novo para baixo.

Neste momento, o impacto da recessão, a valorização recente do real e os efeitos sazonais trazem um novo cenário à inflação.

O já citado boletim Focus, do Banco Central, por exemplo, reduziu pela oitava semana a sua projeção inflacionária para 2016.

As expectativas do mercado agora apontam para algo entre 6% e 7% até o fim do ano, podendo cair para 5% a 6% em 2017.

Esta tem sido a trajetória dessa expectativa para os próximos 12 meses…

 Fonte: Reprodução/Bacen

Logo, haveria espaço para corte nos juros, a fim de estimular o crescimento da economia, atualmente atolada em uma recessão.

 

Ah, mas uma queda muito acentuada e proporcional dos juros não é tão provável assim…

 

Veja bem: isso não é nada difícil de acontecer. Muito pelo contrário.

Em um cenário de desaceleração e inflação em queda, juros mais baixos são um importante motor de incentivo à economia.

E, ao contrário do que já mostramos, eles facilitam o crédito.

Estimulando o consumo, propiciando a criação de emprego, impulsionando a população economicamente ativa.

Isso já aconteceu antes e há pouco tempo, inclusive: em setembro de 2008, os juros estavam em 13,75% ao ano…

… E em março de 2010, chegaram a 8,75% ao ano.

Isso mesmo: um ciclo de queda de 5 pontos percentuais registrada em apenas 1 ano e 6 meses.

Mas faço uma observação importante: não são apenas os cortes nos juros que catalisarão essa virada do mercado imobiliário.

Há outros dois componentes que jamais podem ser ignorados no atual cenário.

Cheguei até eles após uma análise fria dos fundamentos do mercado e da economia do País.

Fique atento, pois você ainda vai ouvir falar muito deles por aí…

 

1 – Confiança do consumidor;

2 – Expectativa de preços.

 

Cada um deles, por si só, já será capaz de impactar o valor dos imóveis, tornando-os mais caros.

Combinados, então, potencializariam os seus efeitos no mercado.

 

O primeiro catalisador é a confiança do consumidor.

 

Esse talvez seja o mais fácil de ser compreendido na prática.

Afinal, você está confiante para efetuar qualquer tipo de compra neste momento?

Em meio a uma avalanche diária de más notícias, certamente não. E isso não é privilégio seu… Dê só uma olhada neste gráfico:

Fonte: Reprodução/FGV

O índice de confiança do consumidor no Brasil atingiu, no último mês de abril, o seu piso histórico.

E não tenho dúvida: uma mudança de governo será decisiva para alterar esse quadro.

A confiança encontra-se tão deprimida neste momento que qualquer alteração política já traz novas perspectivas.

A troca de presidente será responsável por devolver a confiança do brasileiro a patamares mais razoáveis.

Sem contar os efeitos positivos diretos de uma melhora da economia e do mercado em geral…

O consumidor não estará mais tão obcecado com o desemprego ou o desempenho de seus negócios – o pior terá “ficado para trás”.

Com isso, também voltará a fazer planos de aquisição de longo prazo, envolvendo bens de maior valor, como imóveis.

E aí, você já pode imaginar… Quanto mais interesse em um determinado produto, mais caro ele fica.

Trata-se da boa e velha lei da oferta e da procura.

Até porque imóveis nunca saem de moda.

Seus pais precisaram de um, você precisa de um e seus filhos também vão precisar.

Um amigo meu economista costuma dizer uma grande verdade, em nossos momentos de descontração.

Marcio, a gente sempre vai estar morando em algum lugar…

Ele está coberto de razão.

Dê só uma olhada neste levantamento…

Os dados mostram o aumento no número de novas famílias nos últimos anos.

Os últimos dados são de 2014, mas certamente seguiram em alta no ano seguinte.

Você conhece alguém que se casou em 2015… E pode até ter entre seus amigos um que se separou e teve de buscar um novo imóvel.

Tendências demográficas como essa jamais podem ser ignoradas.

Sem contar que há mais gente em idade ativa que crianças e idosos no Brasil, atrás do MESMO objetivo: um imóvel.

As indústrias também sempre precisarão de prédios industriais, os comércios de salas comerciais…

A demanda nunca sumiu. Ela está apenas represada… À espera de um momento de maior confiança e liquidez para entrar no mercado.

 

Por fim, o outro catalisador seria a expectativa de preços.

 

Acredite: também é muito fácil de entendê-lo.

Ainda que possua dinheiro, um consumidor não tem incentivo para comprar quando há expectativa de queda dos valores.

Afinal, por que você pagaria mais caro por algo que estaria mais em conta depois?

Pois bem: segundo o FipeZap, 58% das pessoas que têm intenção de comprar um imóvel nos próximos três meses esperam por uma queda nos valores nos próximos 12 meses.

Com o impeachment, é só uma questão de tempo para o aumento da capacidade de pagamento e confiança do consumidor, como já falamos antes.

Logo, haveria o crescimento proporcional da expectativa de preços mais altos adiante, aquecendo a busca pelo imóvel.

Teríamos ainda pela frente um mercado de lançamentos reprimido, reduzindo mais a oferta, pois ninguém lança nada há muito tempo.

Tais condições seriam mais que suficientes para uma diminuição das expectativas de preço, de forma a destravar o mercado.

Afinal, o inverso também é verdadeiro: você compraria agora algo que imaginaria disparar no futuro.

Recapitulando:

– Uma Grande Virada vai impactar o mercado imobiliário no Brasil;

– O impeachment e juros mais baixos impulsionarão os preços;

– Se a Selic chegar a 10%, os valores dos imóveis subiriam 24%;

– Está aberta a última janela para você comprar um imóvel barato;

– Ou mesmo ganhar muito dinheiro até sem precisar adquirir um;

– Você terá um método inovador e GRATUITO, com estratégias vencedoras, para lucrar milhões (ou não perder) na virada.

 

Mas, afinal, com que interesse estou anunciando essa virada no mercado?

 

Veja bem: estou mais do que à vontade para analisar essa mudança no setor imobiliário.

Não tenho outro interesse em anunciar essa virada que não seja o de fazer você ganhar (ou não perder) dinheiro e construir um sólido patrimônio.

Passei mais de uma década trabalhando em empresas imobiliárias listadas em Bolsa, e agora estou do outro lado do balcão.

Aqueles que já acompanham meu trabalho na Empiricus há mais tempo sabem que até passei muitos meses pessimista.

Dezoito meses, para ser mais preciso.

E sei que muitos até podem ter estranhado isso – milhares de e-mails recebidos desde então são prova do que estou falando.

Sempre compreendi que o pessimismo poderia desestimular a sua leitura e prejudicar o negócio de que faço parte.

Mas sempre deixei claro que o meu único compromisso é com o bom aconselhamento dos leitores da Empiricus.

Independentemente das consequências que esse pessimismo pudesse ter no desenvolvimento do nosso negócio no curto prazo.

Afinal, você não correria para fazer um curso sobre máquinas de escrever quando ninguém mais se interessa por elas, não é?

Tanto que eu mesmo coloquei à prova todo o meu próprio portfólio de imóveis: o vendi em 2014, com os preços ainda em alta.

 

Hoje, volto novamente ao mercado em meio ao início da Grande Virada, e com a consciência tranquila…

 

Porque o cenário que traçamos ainda em outubro de 2014 se moveu exatamente como prevíamos.

Excesso de oferta, crédito mais caro, bancos recusando propostas de financiamentos, renda em queda…

Sem falar na confiança do consumidor em mínimas históricas e nos recordes de cancelamentos de contratos com incorporadoras.

Aqueles que seguiram nossas recomendações e se posicionaram corretamente conseguiram proteger o patrimônio.

Ou evitaram a perda dele. E muito.

Naquela época, por exemplo, eles perceberam a mudança estrutural nos financiamentos imobiliários.

E também no patamar de renda, que cresceria de forma consistente nos anos seguintes.

Da mesma forma, identificaram o processo de esgotamento dos financiamentos iniciado em 2014 e que atinge seu auge neste ano.

Veja só o caso da leitora Flávia, por exemplo…

Ela tirou proveito da crise para negociar o preço de um imóvel ainda não entregue.

E conseguiu uma proposta de redução de quase R$ 90.000 em seu financiamento.

 

Credito este ‘causo’ ao que aprendi (…), pois jamais tomaria esta iniciativa. Comprei um imóvel na planta em 2013. No mês passado, vi um anúncio dando um desconto de 30% numa suposta tabela. Então, pensando naquele teu número, mandei um e-mail para a construtora pedindo um desconto de 40%. Nada de resposta, mandei uma notificação extrajudicial pedindo o distrato. Para minha surpresa, ontem mandaram e-mail propondo um desconto no valor financiado de R$ 87.587,62.”

 

Mas eu sei que isso tudo já é passado…

E estou aqui mesmo para lhe falar do presente e do futuro.

Afinal de contas, é neles que você pretende passar o resto da sua vida, não é?

 

Pois bem: estou certo de que a virada no mercado imobiliário exigirá preparo e conhecimento.

Tanto que, nos últimos meses, nos debruçamos sobre o desenvolvimento de um conteúdo inovador.

E que, em uma condição sem precedentes (GRATUITO), você poderá utilizar para tirar proveito do movimento de alta nos preços.

Algo que reunisse as respostas às principais dúvidas enviadas por nossos leitores e assinantes…

Como identifico as melhores oportunidades? 

Qual é o imóvel ideal para mim?

 

Vale mais a pena morar de aluguel ou
pagar a prestação da casa própria?

 

Como determinar o preço de um imóvel?

 

Espero os preços caírem mais ou entro
em um financiamento agora?

 

Qual documentação devo exigir
para comprar com segurança?

 

Quais riscos devo evitar para não me arrepender
de fazer essa transação tão importante?

 

Não tenho dinheiro para comprar agora – consigo ganhar dinheiro com imóveis mesmo assim?

Seja sincero: você já teve alguma das dúvidas acima, não é mesmo?

Não foram poucos os relatos que recebi de dificuldades para entender o mercado e como tirar máximo proveito dele.

Um deles, inclusive, partiu de um grande amigo, o Eduardo…

Certamente você já passou por isso ou conhece alguém parecido com ele.

Ao longo de duas décadas, o Edu juntou recursos para realizar o sonho da casa própria.

Perdeu as contas de quantas vezes deixou de sair com os amigos ou de ir ao cinema com a esposa.

Tudo para ajudar a economizar um valor que o tiraria do aluguel –afinal, ele pagava todo santo mês por algo que nunca seria dele.

O problema é que, quando enfim conseguiu juntar o suficiente, já era tarde.

Estávamos no início dos anos 2000, e o que se viu dali em diante foi aquela alta desenfreada nos preços dos imóveis residenciais.

 

O valor médio simplesmente avançou uma
média de +15% ao ano em uma década.

 

Com isso, os recursos acumulados com muito suor ao longo de toda uma vida nunca pareciam ser suficientes.

Aqueles 20% de entrada planejados para o apartamento de R$ 400.000…

… logo se tornaram 10% do valor total anunciado do imóvel em apenas cinco anos.

Apesar do crédito mais fácil no mercado, o Edu percebia que talvez não estivesse vivo para ver o seu objetivo conquistado.

Fazia contas e mais contas e concluía que a tão sonhada casa, na verdade, ainda acabaria saindo pelo preço de quase duas!

E olha que nunca faltaram esforços para encontrar o tão aguardado espaço para reunir os amigos e a família com muito mais conforto.

Porém, a cada visita que fazia a um empreendimento nos inúmeros fins de semana, uma nova decepção.

No começo, os brindes que recebia pelas visitas até ajudavam a limpar a barra com a esposa.

Mas aos poucos o vale-pizza, o liquidificador e até os uísques oferecidos já nem serviam para amortizar a pressão.

Isso de ter a casa própria não é mesmo para mim, chegou a dizer cabisbaixo, entre um gole e outro no sítio.

Foi aí, então, que eu disse algo para ele que ajudaria a mudar a sua vida. E provaria que estava muito errado ao fazer essa afirmação.

Expliquei que aquele não era o momento… Que se ele soubesse esperar e ignorar a pressão, poderia conseguir algo melhor.

E, hoje, graças às nossas recomendações, ele conseguiu. Entrou em um financiamento após negociação extremamente vantajosa.

Conseguiu reduzir em R$ 240.000 o valor de um imóvel de R$ 770.000, ao dar entrada de R$ 400.000 (52% do total).

O resto financiou confortavelmente

Ganhando para sempre pontos com a esposa até então impaciente.

E é graças a você, ao Eduardo e a milhares de outros leitores que decidimos lançar um programa de capacitação inovador.

De curta duração. Para ser concluído em apenas quatro aulas.
E o melhor: GRATUITAMENTE.

Para você comprador, investidor, locatário, locador.

Esteja você em busca de um imóvel de R$ 200.000, R$ 500.000 ou mesmo R$ 3.000.000.

Para ter um apartamento, um terreno, uma loja de varejo. Seja em um grande centro ou em uma pequena cidade do interior.

Falo do curso…

Trata-se do seu Guia Definitivo para aproveitar
as últimas barganhas do mercado no Brasil.

 

A nossa proposta é a seguinte:

4 aulas em vídeo com duração média de 1 hora cada

2 webinars exclusivos

1 monitoria ao vivo para tirar dúvidas

 

Tudo no curso será transmitido de maneira simples e direta. Sem contar que você poderá fazê-lo sem sair de casa.

Dê só uma olhada nos detalhes do que preparamos especialmente para você:

 

AULA 1 – (disponibilidade imediata)

O mercado imobiliário: agentes e funcionamento

 

Tipos de investimento

Principais áreas de atuação:

– Residencial vs. Comercial
– Gestão Ativa vs. Passiva
– Renda vs. Valorização

Potenciais de retorno

Riscos e habilidades necessárias 

 

Nesta primeira aula, traçaremos um panorama dos principais participantes do mercado e como eles atuam na cadeia de produtos imobiliários. Vamos mostrar todas as opções possíveis de atuação como investidor, quais são os potenciais de retorno e quais são os riscos/desafios de cada uma delas.

 

AULA 2 – (18/05)

Visão de mercado

 

Qual é a situação atual dos principais segmentos do mercado imobiliário?

– Residencial: casas e apartamentos
– Comercial
– Salas comerciais
– Galpões
– Hotéis
– Lojas de varejo

Para morar ou investir bem, precisamos entender o que está acontecendo com os mercados em que pretendemos atuar. 

Nesta aula vamos responder a perguntas importantes como:

O mercado ainda é favorável para os compradores de imóveis residenciais? Por que os descontos não aparecem nas ofertas?

Por quanto tempo o mercado de salas comerciais vai ficar com alta vacância? Existe possibilidade de rápida recuperação? Quais são as fontes para pesquisar sobre a situação de mercado?

Como traçar uma estratégia de investimento que seja resistente à crise? Quais setores vão melhor ou pior?

 

AULA 3 – (25/05)

Fechando negócio

 

Técnicas de negociação:

– Uso das técnicas de economia comportamental na negociação

Formalização do negócio

– Cuidados com contratos e documentos

Nesta aula vamos dar as ferramentas para você concretizar negócios com segurança, envolvendo desde a negociação para obter bons preços, passando pelos aspectos formais de contratos e documentos que devem ser exigidos.

 

MONITORIA 1 – (01/06)

Reunião em ambiente virtual para tirar dúvidas sobre os assuntos descritos.

 

AULA 4 – (08/06)

Sobrevivendo às decisões mais difíceis

 

Decisão de alugar ou comprar

Comprar à vista ou financiado

Guia sobre financiamento imobiliário

Decisão de utilização de consórcio ou financiamento

Analisando quando vale a pena distratar ou continuar com a compra

Nesta aula vamos ver as ferramentas para tomar as decisões mais difíceis da forma correta, incluindo a decisão de comprar ou alugar um imóvel, de pagar à vista ou financiar, qual o tipo de financiamento é o mais indicado, se o consórcio é uma alternativa interessante e quando vale a pena cancelar uma compra e fazer um distrato.

 

WEBINAR 1 – (15/06)

Caça às oportunidades

 

Como determinar preços? Residencial e Comercial

Onde estarão os maiores descontos para imóveis residenciais?

Qual é o nível de descontos que pode ser considerado um bom negócio?

Como funciona uma compra na planta e como escolher a incorporadora?

Neste webinar, explicaremos como procurar imóveis, onde estão as melhores ofertas e como é possível definir preços com segurança.  

Por último, falaremos sobre o funcionamento da compra de um imóvel na planta e o que fazer para escolher a incorporadora da forma mais adequada.

 

WEBINAR 2 – (22/06)

Para não se arrepender

 

Erros que você não pode cometer na hora da compra

– Localização
– Valor de revenda vs. estilo de vida
– O imóvel mais barato / caro
– Vizinhança
– Praticidade vs. Design
– Reformas
– Capacidade de pagamento
– Barulho
– Design datado
– Idade e condição do imóvel
– Custos extras
– Test Life / Kick-the-Tires

 

Vamos explicar aqui quais são os erros que causam os maiores arrependimentos para quem está comprando um imóvel e como evitá-los.

Garanto: há uma enorme quantidade de informações necessárias para realmente se fazer um bom negócio no mercado imobiliário.Além disso, sei que muitas pessoas têm simpatia pelo setor, porém não têm a mínima ideia de onde começar.

Então faz todo sentido fazer um curso completo neste momento para atender a esse público.

E também a todos os que demandam informação de qualidade em um momento histórico como o atual para o País.

Já reunimos recomendações úteis e indispensáveis para as duas edições do curso Construindo Riqueza com Imóveis.

Que ao longo do tempo se mostrou um enorme sucesso, fazendo nossos leitores ganharem muito dinheiro (ou economizarem).

Mas sabemos que o timing não poderia ser melhor para um novo lançamento.

 

Como faço para ter acesso ao curso?

 

É muito simples.

Se você já é assinante da série Valor Imobiliário, da Empiricus, nunca é demais lembrar: o Imóveis para Leigos é GRATUITO.

Isso mesmo: além dos materiais e conteúdos extras que já recebe regularmente…

… você não precisará pagar absolutamente nada para ter acesso às quatro aulas, aos dois webinars e à monitoria.

Agora, se você quiser fazer parte do time bem-sucedido do Valor Imobiliário e ter acesso ao conteúdo completo do curso…

A boa notícia é que não levará apenas o curso.

Ganhará, de quebra, todo um conteúdo especializado sobre imóveis, com relatórios semanais e mensais, além de guias e conteúdos extras.

O Valor Imobiliário é o conteúdo especializado da Empiricus, a maior casa de análises independente do Brasil, sobre imóveis.

Não temos ligação com construtoras, incorporadoras, imobiliárias, corretores…

E isso faz toda a diferença na hora de recomendar o que achamos melhor para você.

Muitos passam uma vida inteira atrás de um imóvel. E por isso merecem sempre o melhor na hora de escolhê-lo.

 

Mas atenção: se você não é assinante do Valor Imobiliário, o melhor realmente ficou para o final

 

Você terá acesso à série semanal, aos relatórios e guias especiais por um valor irrisório.

Quanto que você acha que valeria tudo isso que estou oferecendo?

Tenho 20 anos de experiência no mercado. Sempre atuei em grandes empresas, realizando operações com imóveis.

Por isso mesmo, posso garantir que você não vai encontrar nada parecido por aí. Muito menos por uma condição tão especial.

 

Apenas 12x R$ 12,00!
Ou menos de R$ 0,40 por dia.

Somente cursos como esse – e vendidos isoladamente – valeriam pelo menos R$ 400, podendo até custar 5 vezes mais que isso.

Sem contar que todo o conteúdo da série Valor Imobiliário tem sua eficácia mais que comprovada, tornando-se referência no mercado.

Ele tem proporcionado, há anos, histórias e trajetórias de leitores satisfeitos.

Estou certo de que logo você será mais um deles…

 

“Aprendi muita coisa prática, muitos macetes… Você é bem prático, e ao mesmo tempo disciplinado nas análises.
Muito obrigado mesmo.”
Marcus G.

 

“Oi, Marcio! Nunca imaginei que ganharia dinheiro com imóveis. Mas graças aos seus ensinamentos ajustei a minha vida financeira e passei a sonhar muito além da primeira casa própria.”
Nelson F.

 

“Quero te agradecer. As newsletters são de uma qualidade impressionante – digo como alguém que tem aprendido muito sobre imóveis, e partindo do zero!!! Muito obrigado!!!”
Denis V.

 

O Marcus, o Nelson e o Denis estão entre os que já garantiram acesso a uma fonte valiosa de estratégias com imóveis.

Assim como a já citada leitora Flavia, que em apenas uma tacada conseguiu economizar R$ 87.587,62 com imóveis.

Todos eles aprenderam a separar um bom investimento de algo que poderia render dores de cabeça para sempre.

Em comum, eles descobriram que não basta apenas agir.

E sim fazê-lo com sabedoria, da escolha do imóvel ideal à segurança jurídica do acordo, passando pela negociação do preço.

Aliás, temos tanta confiança na qualidade do que preparamos para você que, se achar que o material não é adequado ao seu perfil…

… damos nada menos que 20 dias para cancelar sua assinatura e receber 100% do valor de volta.

Trata-se da cláusula de confiança Empiricus, um compromisso tão importante assumido por nós que é registrado em cartório.

Reforço: temos total confiança no conteúdo do que apresentamos.

Tanto que decidimos correr o risco de você decidir cancelar a assinatura em 20 dias e com a maior parte do curso no currículo.

Sabemos que os benefícios de se juntar ao time do Valor Imobiliário vão além. E por isso mesmo aceitamos esse cronograma.

Recomendo fortemente que você ao menos conheça o conteúdo. Você não vai se arrepender, além de claro, não ter nada a perder.

E então? Você vai esperar pelo aumento dos preços e perder uma janela histórica para a construção de seu patrimônio?

Não perca mais tempo. Posicione-se corretamente e antecipe-se à Grande Virada do mercado imobiliário no Brasil.

 

Clique aqui para ter acesso à primeira aula do
curso Imóveis para Leigos

 

Um forte abraço,

Marcio Fenelon

 

 

Informações Importantes:

Os conteúdos da Empiricus visam informar o seu destinatário sobre matérias relacionadas a economia, finanças e investimentos. A Empiricus se exime de qualquer responsabilidade sobre eventuais prejuízos que o destinatário de seus conteúdos tiver em decorrência da sua tomada de decisão. Embora a Empiricus forneça informações sobre investimentos, fundamentadas sob avaliação criteriosa, não se pode antecipar comportamentos. Padrões, histórico e análise de retornos passados não garantem rentabilidade futura. Todo investimento financeiro, em maior ou menor grau, embute riscos que podem ser mitigados mas não eliminados. A Empiricus alerta para que nunca sejam alocados em renda variável aqueles recursos destinados a despesas imediatas ou de emergência, bem como valores que comprometam o patrimônio do assinante. A Empiricus é uma publicadora de conteúdos, totalmente dissociada do sistema de distribuição de valores mobiliários, e, por conseguinte, não obtém nenhum tipo de receita advinda de comissões, corretagens ou emolumentos sobre montantes eventualmente aplicados. A Empiricus zela pelo direito de privacidade dos seus leitores.


A Empiricus foi fundada em 2009 com um objetivo: levar conteúdos financeiros independentes
e de qualidade para a pessoa física.

Hoje, nossa equipe conta com mais de 200 colaboradores.
Afinal, somos uma empresa de pessoas e produzir conteúdo relevante para a sua vida financeira não é tarefa fácil.

Mas a Empiricus não é apenas a sua equipe, somos os mais de 180 mil assinantes das publicações.
Para conhecer algumas dessas histórias, acesse https://www.empiricus.com.br/depoimentos

Se quiser saber mais sobre a Empiricus, acesse nosso site em www.empiricus.com.br ou envie um email para relacionamento@empiricus.com.br.

A Empiricus apoia

 

Uma empresa associada à Agora Companies


Maior grupo de publicações financeiras do mundo, com mais de 2.700.000 assinantes

Empiricus
CNPJ 11.431.155/0001-07
Copyright © 2009 – 2019

Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.477
Torre B - 10º Andar
CEP 04538-133 - Itaim Bibi - São Paulo

Relacionamento com o assinante
Telefone(s): 4003-3117 | 4003-3118
(ligação local)